Levantamento de Peso Olímpico

5 Levantamento de Peso Olímpico
Duração 20 minutos
Calorias 150
Nivel Intenso

Levantamento Olímpico (conhecido também por halterofilismo) é uma das melhores formas para tornar o nosso corpo mais forte e mais eficiente. Os padrões de movimento necessários para uma correta execução deste tipo de levantamento (que é composto por vários movimentos como vamos ver mais abaixo) são fundamentais para o desenvolvimento atlético de qualquer jovem, atleta ou pessoa comum que pretenda aumentar os seus níveis de força / potência e rendimento.

Os movimentos efetuados no Levantamento Olímpico testam praticamente todos os músculos do corpo (incluindo mas não limitado às pernas, às costas, aos ombros, aos braços, ao grip e ao core) – mais músculos que qualquer outro desporto. Portanto, é consensual aceitar, no campo da força e condicionamento, que os halterofilistas são considerados os atletas mais fortes do Mundo (e, curiosamente, aqueles que têm maiores níveis de mobilidade a seguir aos ginastas). Um pouco de história O halterofilismo é provavelmente um dos desportos mais antigos que existe.

Podemos situar as suas origens por volta do ano 3600 a.C. na China, onde os imperadores praticavam exercícios de força. Também na dinastia Chow (1122 a.C.) os soldados, como pré-requisito para se juntar ao exército, tinham que levantar uma série de pesos. A maioria dos historiadores aponta para o lutador grego Milón de Crotona como o pioneiro de levantamento de pesos.

O século VI a.C. na Grécia foi conhecido como a Era da Força, portanto o levantamento de pedras pesadas lançou as bases do halterofilismo actual. No século XIX, principalmente na Europa Central, era habitual a realização de competições de força em tabernas, nas quais se levantava uma barra de ferro enorme com bolas de metal nas pontas. Mais tarde, nos finais do século XIX, o levantamento de pesos foi a dedicação quase que exclusiva de profissionais circenses, como os irmãos Saxon. Só mais tarde é que se começou a realizar competições amadoras entre clubes. Os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna realizaram-se em 1896 e o halterofilismo foi incluído como desporto oficial. O halterofilismo não fez parte dos Jogos de 1900, voltou em 1904 e tem sido um evento regular desde 1920. Em 1932, haviam três levantamentos padrão: o press (eliminado em 1972), o snatch (em português arranco) e o clean & jerk (em português arremesso).

Em 1932, havia cinco categorias de peso. Hoje em dia, existem oito categorias de peso para homens, que vão desde os 56kg até aos +105kg e sete categorias de peso para as mulheres, que vão desde os 48kg até aos +75kg. Há também competições para atletas com 13 anos (e abaixo) e para atletas com mais de 85 anos, pelo que existe sempre a hipótese de competir com pessoas da mesma idade, tamanho e género.

Os Dois Movimentos Olímpicos

  • Snatch (Arranco) O snatch consiste em levantar a barra do solo até acima da cabeça num movimento sem pausa e sem apoiá-la no corpo. A barra é colocada horizontalmente em frente das pernas do atleta. A barra é agarrada com as palmas das mãos para baixo e puxada num movimento único desde o chão e erguida até à extensão completa de ambos os braços acima da cabeça, enquanto o levantador se agacha ou flecte as pernas.
  • Clean & Jerk (Arremesso) O arremesso é executado em dois tempos. O primeiro tempo chama-se Clean e o segundo tempo chama-se Jerk. Na primeira parte (clean), a barra é colocada horizontalmente em frente das pernas do atleta. É agarrada, com as palmas das mãos para baixo e levantada até à altura dos ombros, por cima do peito, enquanto que o levantador se agacha ou dobra as pernas; a seguir, reergue-se e alinha-se. Na segunda parte (jerk), usando a força conjunta de braços e pernas, a barra é levantada acima da cabeça, enquanto que o atleta faz normalmente um movimento em forma de tesoura com as pernas; a seguir estabiliza com os braços em extensão e realinha as pernas.

É seguro fazer Levantamento Olímpico? A ignorância neste campo tem levado a uma crença generalizada que o halterofilismo é perigoso e faz mal à saúde. Na verdade, o levantamento olímpico é uma das formas mais seguras e mais eficazes para realizar treino de força. Mas antes de começarmos a “achar” e a “opinar” se é seguro ou não, vamos ver o que nos dizem alguns estudos efetuados neste âmbito e perceber mais objectivamente se esta modalidade está ou não entre aquelas com maior risco de lesão associado.

Segundo um estudo realizado por Brian P. Hamill, publicado em 1994 pelo Journal of Strength and Conditioning Research, o halterofilismo está entre as modalidades com menor risco de lesão. Veja a tabela abaixo. Taxas de lesões desportivas em várias modalidades desportivas.

Desporto Lesões (por cada 100 horas de prática)

  • Futebol (idade escolar) 6,20
  • Rugby Reino Unido 1,92
  • Rugby África do Sul 0,70
  • Basquetebol Reino Unido 1,03
  • Basquetebol EUA 0,03
  • Atletismo EUA 0,57
  • Atletismo Reino Unido 0,26
  • Squash 0,10
  • Futebol Americano 0,10
  • Ginástica EUA 0,044
  • Ténis Reino Unido 0,07
  • Powerlifting EUA 0,0027
  • Ténis EUA 0,001
  • Voleibol EUA 0,0013
  • Levantamento de Pesos (treino de força) 0,0035 (85,733 horas)
  • Levantamento Olímpico 0,0017 (168,551 horas)

    Outro aspecto que tem afastado muitas pessoas deste tipo de treino é o facto de se passar a mensagem que o levantamento olímpico faz mal às costas – outra assunção falsa que tem sido espalhada de forma aberrante nos ginásios, não só pelos treinadores de bancada mas também por alguns profissionais da área. Vamos aos factos. 
    Um estudo realizado por Granhed e Morelli em 1988 (podem consultar o abstract aqui) e publicado no American Journal of Sports Medicine, comparou a incidência e prevalência de dores na zona lombar entre a população normal, ex-lutadores e aqueles que faziam halterofilismo. A prevalência de dor na zona lombar foi maior nos ex-lutadores (53%), seguindo-se a população normal (31%) e o grupo que fez halterofilismo (23%).

Nota: Aqueles que fizeram halterofilismo tiveram menos 8% de probabilidades de sofrer de uma lesão na região lombar.

 

Um estudo realizado por Stone M.H. em 1990 (que saiu reforçado pelo estudo que vimos no número 1 de Hamill) e publicado pelo jornal Medicine & Science in Sports & Exercise diz-nos que as lesões no treino de halterofilismo e nas competições propriamente ditas são menos prevalentes que em outros desportos tais como: futebol americano, basquetebol, futebol, ginástica, etc.

 

Nosso time é treinado e capacitado para ministrar o LPO. Possuímos certificados da Takano Athletics (www.takanoathletics.com), treinamento em LPO pelo Sistema do Movimento Integrado (SMI) (www.facebook.com/sistemamovimentointegral), assim como treinamento em LPO pelo professor Ricardo Rambo (professorriccardorambo.blogspot.com.br). Além disso, oferecemos um treino de Levantamento de Peso Olímpico exclusivo em turmas semi personalizadas!